Vida na Elsevier:
Yoshiko Kakita

localTóquio

"O meu trabalho, gerenciamento de pesquisa, é relativamente novo. Nossos clientes estão mudando e nós estamos mudando."

Yoshiko Kakita

Me fale sobre o seu trabalho na Elsevier. O que você faz?

Eu trabalhava como gerente de vendas de soluções na equipe de gerenciamento de pesquisas, mas fui promovida recentemente para gerente regional de soluções. Sou a chefe da equipe de gerenciamento de pesquisas no Japão. Trabalho com as soluções SciVal, Pure, Scopus e com serviços analíticos. Os mercados nos quais trabalho são os acadêmicos, governos e algumas empresas, para as soluções de gerenciamento de pesquisas. Trabalho na Elsevier há cerca de 10 anos.

O que trouxe você para a Elsevier?

Como fiz minha faculdade no exterior, eu procurava uma empresa internacional na qual pudesse usar a minha experiência internacional. Também foi porque, depois de formada, eu não queria ser pesquisadora, mas queria fazer contribuições para a comunidade científica. Portanto, a Elsevier foi a opção perfeita para aquela época e ainda é.

Qual foi a sua experiência preferida de trabalho na Elsevier até hoje?

Eu me sinto muito feliz todas as vezes que os clientes me procuram quando precisam do conselho ou da ajuda de uma especialista. Por exemplo, muitas universidades do Japão estão tentando se tornar mais estratégicas em relação ao gerenciamento de pesquisas para serem mais competitivas no mundo. Depois que os rankings são publicados a cada ano, algumas universidades entram em contato comigo para discutir os resultados e o que elas precisam fazer. Os contatos não são apenas relacionados às nossas soluções, que eu vendo, as pessoas também querem a minha orientação e esperam que, como vendo essas soluções, eu tenha conhecimento sobre o assunto. É por esse motivo que eu me sinto tão bem em realizar esse trabalho, porque sinto que os meus clientes me veem como uma espécie de parceira — e não apenas uma vendedora.

Como trabalhar na Elsevier ajuda a fazer a diferença no mundo?

O meu trabalho, gerenciamento de pesquisa, é relativamente novo. É um campo novo para todos; as universidades costumavam ser apenas um local em que as pessoas iam para estudar ou os pesquisadores apenas para fazer suas pesquisas. Não havia o aspecto de competição no mundo até poucos anos atrás. Por exemplo, no Japão, os rankings nacionais são meio que fixos. A número um é a Universidade de Tóquio e a número dois é a Universidade de Kyoto. Era sempre assim, se fosse um ótimo aluno, você iria para a Universidade de Tóquio; se fosse bom, você iria para a Universidade de Kyoto. É tudo fixo. Não existe realmente o que competir. Mas o mundo está mudando; está totalmente globalizado. As universidades agora competem em um nível global por mais financiamento do governo ou de empresas, e também competem para receber bons alunos — de diferentes países, não só do Japão. Então, as universidades estão tentando ser mais estratégicas sobre a maneira como gerenciam a própria instituição, especialmente na área de pesquisa, e para isso, elas precisam de evidências ou de dados. E é por essa razão que elas recorrem às soluções da Elsevier. Nossos clientes estão mudando e nós estamos mudando." Juntos, estamos tentando ser melhores — e mais competitivos no mundo.

O alcance global da Elsevier abre oportunidades para você? Como tem sido a trajetória da sua carreira na Elsevier?

Quando eu comecei como gerente de vendas da solução Scopus há 10 anos, todos os meus clientes eram bibliotecas. Mas agora, eu raramente falo com bibliotecas; a maioria dos meus contatos nas universidades são feitos com vice-presidentes de pesquisa, vice-presidentes de avaliação ou funcionários do departamento de pesquisa, portanto, isso mudou muito. Atualmente, minha função só abrange o Japão como mercado, mas a minha ambição para o próximo passo da minha carreira é a Ásia como um todo, e o fato de eu ter essa ambição para minha carreira já é uma boa oportunidade para mim. É claro que muitas empresas japonesas têm filiais em todas as partes do mundo, mas é um pouco diferente. Na Elsevier, mesmo no meu dia a dia, entro em contato com pessoas de diferentes países, então, é divertido; converso com pessoas da equipe de produtos ou de marketing e todas elas são de países diferentes, então, eu acho que abri a minha mente de formas diferentes. A equipe de gerenciamento de pesquisa como um todo está me ajudando a ampliar a minha perspectiva sobre a minha carreira.

O que você mais aprendeu durante o seu período de trabalho aqui?

O que aprendi é como posso me adaptar às mudanças. O mundo está mudando e a empresa está mudando. A mudança no setor de gerenciamento de pesquisas é imensa e eu faço as coisas de forma diferente a cada ano. Mesmo quando eu ocupava o mesmo cargo, gerente de vendas de soluções, as pessoas com quem eu falava mudaram e o nível das pessoas mudou. Há dez anos, eu conversava com bibliotecários. Depois, passei a falar com pessoas dos escritórios de pesquisa, e em seguida, com os reitores e vice-reitores das universidades. Na semana passada, eu fiz uma apresentação em uma reunião da diretoria de uma das principais universidades do Japão. Em seguida, forneci orientações sobre o que a universidade deveria fazer para aumentar a sua competitividade. Conversamos sobre o que poderíamos fazer juntos. A Elsevier também está investindo muito em pessoas. Temos muitos treinamentos. No longo prazo, é muito bom que eu tenha essas oportunidades de receber vários treinamentos para melhorar o meu desenvolvimento para que eu possa acompanhar as mudanças sem problemas, caso contrário, não poderei oferecer suporte aos meus clientes. Portanto, acho que essas são coisas importantes que aprendi na Elsevier.

O que a marca Elsevier significa para você?

Nossa missão é liderar o caminho do avanço científico, da tecnologia e da saúde e eu me sinto muito confiante de que estamos fazendo isso. Acho que estamos assumindo a liderança nesta comunidade científica e na maneira que a ciência é feita. Somos muito inovadores, e não somente na área de tecnologia. Os profissionais de vendas recebem treinamentos diferentes todos os anos, então, acho que estamos sempre atualizados na maneira de fazer negócios. Somos uma empresa líder e eu tenho muito orgulho disso. E quando eu converso com meus clientes, eles também nos veem como uma empresa líder. Neste setor, todos nos conhecem. Todas as pessoas das universidades nos conhecem e todos os pesquisadores nos conhecem. Eu nunca tenho dificuldade para marcar uma hora para falar com alguém. Marcar um horário para falar com alguém pode ser muito difícil para os vendedores de algumas empresas, mas para nós não. Todos nos conhecem. Mesmo se eu enviar um e-mail pela primeira vez, para alguém do nível da vice-presidência, as pessoas ainda estarão dispostas a falar comigo porque sou da Elsevier e elas conhecem a Elsevier. Se você for vendedor de uma pequena empresa e enviar um e-mail para uma vice-presidência, eles nunca responderão à sua mensagem. Mas como eu sou da Elsevier, eles acreditarão que eu tenho informações valiosas e, então, estarão dispostos a gastar tempo comigo e isso é muito importante.

Mais pessoas

Foto de Justin Mytton

Justin Mytton

localRio de Janeiro, Brasil

Foto de Kelechi Okerephoto

Kelechi Okere

localNova York, EUA

Foto de Ian Evans

Ian Evans

localOxford, Inglaterra