Por que ser um mentor?

post-blog-ELS-Agosto.jpg

O vídeo a seguir (em inglês) é o primeiro de uma série de três partes sobre orientações para profissionais da área de saúde, além de enfermeiros.

O sistema de relacionamento entre professores mentores e alunos é de extrema importância para a transição da vida acadêmica para a prática clínica, desenvolvendo papel  fundamental para ajudar a próxima geração de educadores a se acostumar ao seu novo papel. Assista a segunda parte da série (em inglês) clicando aqui e a terceira parte (em inglês) aqui.

Orientações permitem que profissionais e estudantes formem relacionamentos em níveis de maior grau de profundidade com seus mentores, desenvolvendo assim, o potencial dos alunos para a prática. A relação de parceria é capaz de abordar os pontos fortes e fracos que possam surgir, considerando continuamente a integração da base de evidências para a prática do aprendiz. No geral, o objetivo é o desenvolvimento profissional do aprendiz e a integração bem sucedida na comunidade organizacional. Essa discussão centra-se nos benefícios que podem ser colhidos a partir do processo.

Orientações permitem que profissionais e estudantes formem relacionamentos em níveis de maior grau de profundidade com seus mentores, desenvolvendo assim, o potencial dos alunos para a prática. A relação de parceria é capaz de abordar os pontos fortes e fracos que possam surgir, considerando continuamente a integração da base de evidências para a prática do aprendiz. No geral, o objetivo é o desenvolvimento profissional do aprendiz e a integração bem sucedida na comunidade organizacional. Essa discussão centra-se nos benefícios que podem ser colhidos a partir do processo.

Para mentores dedicados, os benefícios são muitos. Mentores muitas vezes experimentam uma melhoria na sua própria prática pessoal como resultado da orientação. Ao incentivar de forma consistente o estudante a buscar o crescimento, o mentor também é desafiado a refletir e desenvolver-se como um educador. Por exemplo, como o mentor incentiva o estudante a desenvolver e nutrir relacionamentos com os alunos, é mais provável que faça o mesmo. Esse resultado ajuda a construir uma retórica correspondente a sua prática.

Outro benefício está relacionado ao crescimento positivo em outra pessoa. Os sentimentos positivos de realização para o mentor irão reduzir o estresse e melhorar o bem-estar geral. Uma atitude de positividade, assumindo o papel de líder transformacional promove o sucesso no mentor. Profissionalmente, mentores são capazes de desenvolver habilidades não só necessário para ter sucesso como um mentor, mas também como um educador e muito mais. Essas habilidades tornam-se ativos valiosos.

Pessoalmente, as habilidades desenvolvidas pelo mentor ajudam com o gerenciamento de vida. Essa relação favorece habilidades, tomadas de decisão para a resolução de problemas, e também prevê um sentimento de realização e satisfação. O bem-estar proveniente também auxilia na busca do equilíbrio ideal entre vida profissional e pessoal. Quando as pessoas estão a gerir bem a vida (especialmente professores), são capazes de oferecer mais para a comunidade organizacional.

O mentor serve como um modelo não só para o aprendiz, mas também para outra faculdade. Ao observar a relação entre mestre e aprendiz, a modelagem ajuda na visualização de como outras pessoas podem ser capazes de contribuir, enquanto outros têm o poder de alavancar o crescimento pessoal e profissional. Podem até mesmo decidir que gostariam de desenvolver as habilidades necessárias para ser um mentor, desenvolvendo assim, esse papel.

Quando o trabalho do mentor é valorizado por um programa, há uma percepção geral de que o desenvolvimento do corpo docente é uma prioridade. Muitos professores conectam a sua satisfação (ou falta dela) com o programa e administração para o apoio ao desenvolvimento do corpo docente. Quando professores se tornam mentores, acabam contribuindo positivamente para a construção da comunidade de educadores, promovendo assim, uma cultura de aprendizagem ao longo da vida. Criar uma cultura positiva na comunidade acadêmica pode afetar os resultados e a retenção não só para os alunos, mas também para o corpo docente.