Empreendedorismo e Gestão de MPes

1200x600-4.png

É inquestionável a importância das Micro e Pequenas Empresas para a economia e para a empregabilidade no Brasil. Dados do SEBRAE (2017) indicam os números: as MPEs são responsáveis por cerca de 52% dos empregos com carteira assinada; 40% dos salários pagos e 27% do PIB nacional. Em quantitativo representavam 12,95 milhões de micro e pequenas empresas no país, das quais 7,67 milhões eram MEI - microempreendedores individuais.

Segundo dados da Receita Federal, o número de microempreendedores individuais no país cresceu mais de 68% desde 2014, o que significa que no transcorrer da crise que ocorre desde então, empreender foi, e ainda é, uma opção de renda para milhões de desempregados.

Essa rápida análise já justifica, em especial quanto à geração de emprego, a necessidade de se direcionar maiores esforços para a criação e o desenvolvimento dos pequenos negócios. Indispensável tornar mais ágil e menos oneroso o processo de abertura de empresas, reduzir burocracia e impostos, disponibilizar recursos e garantir políticas públicas efetivas de fomento e desenvolvimento.

Porém há também uma carência recorrente de qualificação do empreendedor individual, muitas vezes lançado nesse mercado por absoluta necessidade, originada pelo desemprego e pela desesperança de conseguir uma colocação no médio e longo prazo. Que políticas públicas podem favorecer o empreendedorismo? O que as instituições e órgãos de apoio podem disponibilizar em termos de capacitação, qualificação e recursos? São questões a serem discutidas profundamente por todas as sociedades e as respostas podem mudar a face da crise e começar a virar o jogo no que tange a geração de emprego e renda.

Dessa forma, é esperado que escolas, universidades, órgãos de apoio e governos se mobilizem e proponham ações práticas para cuidar do empreendedorismo no Brasil, com novas formas de incentivar a criação de empresas e de prestar apoio no desenvolvimento e consolidação no mercado. É fato que cerca de 24% das empresas fecham antes de completar 2 anos, que 45% não sobrevivem após quatro anos de atividade e que, cerca de 60% das empresas deixam de existir em até cinco anos, em média, após sua criação.

Capacitar e qualificar o pequeno empreendedor é fundamental, quanto mais meios de se fazer isso melhor para todos os níveis de atuação das MPEs, do MEI à Startup. É essencial que o empreendedor tenha onde buscar e encontrar o que necessita: de informações sobre o desenvolvimento de produtos serviços, aos conhecimentos de gestão para tocar o negócio.

Quanto mais puderem entender sobre ambiente empresarial e funcionamento do mercado, melhor para os empreendedores. O conhecimento prévio de oportunidades e riscos tornam a gestão mais estratégica e cuidadosa. A capacidade de identificar novas oportunidades ou propor inovações para os produtos já existentes são também essenciais para a sustentabilidade da empresa no decorrer do tempo.

É essa a intenção desse livro de empreendedorismo, servir de fonte de conhecimento e ferramenta de gestão ao empreendedor das MPEs e também àqueles que buscam, em seus estudos nas escolas e universidades, um direcionamento para realizar o sonho de abrir um negócio com chances maiores de sucesso.

Cada qual que possa auxiliar na tarefa de apoiar o empreendedorismo tem a oportunidade de prestar, com os meios de que dispõe, um grande serviço ao desenvolvimento econômico e social do país.


[1] Antônio Barbosa Lemes Júnior é doutor em Finanças e Marketing pela Universidade de São Paulo - USP. Professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR.

[2] Beatriz J. Pisa é mestre em Planejamento e Governança Pública pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR.

Share
Tweet
Share
Share