Você sabe qual a desordem endócrina mais encontrada na prática clínica?

LIVRO: Você sabe qual a desordem endócrina mais encontrada na prática clínica?

Voce-sabe-qual-a-desordem-endocrina-mais-encontrada-na-pratica-clinica.jpg

Em 14 de novembro comemora-se o Dia Mundial do Diabetes. A Campanha foi iniciada em 1991 pela IDF (Internacional Diabetes Federation) em conjunto com a OMS (Organização Mundial da Saúde), em detrimento às preocupações sobre os crescentes números de diagnósticos no mundo.

Para entender e conscientizar a população, vamos conhecer um pouco mais sobre o diabetes melito, que é caracterizada por uma desordem endócrina mais comumente encontrada na prática clínica:

¹Diabetes melito tipo 1

Diabetes tipo 1 é encontrado em aproximadamente 15% de todos os pacientes diabéticos. Ele pode ocorrer em qualquer idade, porém é mais comum em jovens, com um pico de incidência entre nove e 14 anos de idade. A absoluta falta de insulina é a consequência da destruição autoimune das células beta produtoras do hormônio. Pode existir um fator ambiental precipitante, como uma infecção viral. A presença de anticorpos que reconhecem as ilhotas, no soro, prediz o futuro desenvolvimento deste tipo de diabetes.

¹Diabetes melito tipo 2

Diabetes tipo 2 responde por aproximadamente 85% de todos os pacientes diabéticos e pode ocorrer em qualquer idade. Ele é mais comum entre 40 e 80 anos, mas atualmente está sendo relatado em populações de adolescentes e crianças. No diabetes tipo 2, ocorre resistência dos tecidos periféricos à ação da insulina, de modo que os níveis de insulina podem apresentar-se normais ou elevados e, ainda assim, persistirem os sintomas. Obesidade é a característica clínica mais comumente associada a este tipo de diabetes.

Aproveite e assiste o vídeo extraído do Projeto Homem Virtual da disciplina de Telemedicina da FMUSP e disponível no livro “Guyton & Hall Tratado de Fisiologia Médica”, a sequência apresenta a fisiopatologia do Diabetes Tipo I em decorrência da agressão imunológica às células da ilhota de Langerhans. Além do Diabetes Tipo II, decorrente da resistência à insulina e insuficiência insulínica.

¹Informações retiradas integralmente do livro Bioquímica Clínica.

Share
Tweet
Share
Share