Má alimentação é a luta constante dos nutricionistas

Uma pesquisa realizada pela Consumers International (CI), no ano passado, comprova que mais de 80% das pessoas subestimam o impacto de uma má alimentação não saudável a saúde. Segundo dados divulgados no último ano pelo Ministério da Saúde, 52,5% da população adulta está acima do peso e, dentro dessa parcela, 17,9% estão obesos. Neste, e em outros contexto relacionados à má alimentação, o nutricionista é um importante aliado para ajudar a reverter tais cenários.

O planejamento nutricional individualizado é essencial, fazer perguntas e explorar os sentimentos do paciente sobre o seu peso e dieta e ajudá-lo a estabelecer metas realistas e realizáveis também são partes importantes do processo de adequação da alimentação à saúde.

Nem todas as pessoas têm a mesma relação com a comida, o que pode gerar grandes problemas de saúde. Segundo o livro Fundamentos de Enfermagem, ”Um problema nutricional muitas vezes ocorre quando o consumo global está significativamente diminuído ou aumentado, ou quando um ou mais nutrientes não são ingeridos, digeridos completamente ou absorvidos integralmente.” Cabem aos profissionais envolvidos com o tratamento do paciente entenderem suas necessidades e, criarem opções de dietas adequadas a essa realidade. Essa análise das necessidades alimentares é feita por meio de uma avaliação nutricional.

O QUE É AVALIAÇÃO NUTRICIONAL?

O processo de coleta de dados para determinar o estado nutricional de um indivíduo é denominado avaliação nutricional. O médico ou nutricionista qualificado e treinado em nutrição clínica reúne dados para comparar os vários fatores sociais, farmacológicos, ambientais, físicos e clínicos necessários à avaliação das necessidades nutricionais de um indivíduo. O objetivo dessa avaliação é reunir os dados para desenvolver um plano de tratamento nutricional, o qual assegurará, uma vez introduzido, a nutrição adequada para a saúde e o bem-estar. (Fonte: Egan fundamentos de terapia respiratória 9ED)

VIVER BEM SEM EXTREMISMOS

Vivemos atualmente um terrorismo nutricional em que as pessoas não sabem mais o que comer. Quando na verdade devemos percorrer o caminho inverso aos extremismos quando o assunto é alimentação. Procurar ajuda de um nutricionista e adequar sua alimentação ao seu estilo de vida, dietas restritivas feitas por conta própria, nunca são a opção. Além de estressarem o corpo, forçam o cérebro a alterar o metabolismo e o apetite, fazendo a pessoa engordar ainda mais a longo prazo. Não use sites de buscas e receitas mirabolantes como alternativas, procure um médico ou um nutricionista para pedir orientação. Lembre-se que a alimentação está ligada diretamente com a sua saúde. Preserve-a!

Share
Tweet
Share
Share