Como os profissionais da saúde devem lidar com pacientes com transtornos alimentares

Como-os-profissionais-da-saude-devem-lidar-com-pacientes-com-transtornos-alimentares.jpg

São principalmente de ordem psiquiátrica. No entanto, uma série de problemas nutricionais associados a estes transtornos exige que o profissional da área de saúde estabeleça um plano de cuidado nutricional. Os três tipos mais comuns de transtornos alimentares são a anorexia nervosa, a bulimia nervosa e o transtorno de compulsão alimentar periódica.

¹ANOREXIA NERVOSA

A anorexia nervosa caracteriza-se por perda ponderal autoimposta, disfunção endócrina e atitude psicopatológica distorcida em relação ao peso e ao ato de comer. É uma doença mental grave, que afeta de 0,5% a 1,0% das mulheres durante a vida e um número muito menor de homens. Manifesta-se clinicamente como perda ponderal anormal, autoinanição deliberada, medo intenso de ganhar peso, lanugo (pelo macio, aveludado, cobrindo o corpo, exceto as palmas das mãos e as solas dos pés), recusa da alimentação, fazer regime dietético permanente, perda de cabelo, sensibilidade ao frio, exercício compulsivo, menstruação ausente ou irregular, pele seca e constipação intestinal. Estudos de diagnóstico mostram, com frequência, a anemia por deficiência de ferro e um nitrogênio ureico elevado, que é reflexo da depleção acentuada do volume intravascular e da função renal anormal. A falta de potássio na dieta e a perda deste na urina levam à deficiência de potássio. As manifestações da deficiência de potássio incluem fraqueza muscular, disritmias cardíacas e insuficiência renal. Se o hábito alimentar for mantido por período prolongado, o desgaste corporal e os sinais de desnutrição grave serão evidentes. O tratamento multidisciplinar tem de envolver uma combinação de terapia nutricional e atendimento psiquiátrico. As orientações da American Psychiatric Association apoiam o uso de programas de realimentação comportamental para os pacientes que não respondem aos tratamentos menos intensivos. A hospitalização pode ser necessária, se houver complicações clínicas que não possam ser monitoradas em um programa de terapia de paciente externo. A reposição nutricional deve ser rigorosamente supervisionada para garantir os ganhos ponderais consistentes e contínuos. A síndrome de realimentação é uma complicação rara, porém grave, dos programas de realimentação comportamental. O uso de NE ou de NP pode ser necessário. A melhor nutrição, no entanto, não é a cura para a anorexia nervosa. O problema psiquiátrico subjacente deve ser tratado pela identificação dos padrões afetados das interações do indivíduo e da família, seguido pelo aconselhamento de ambos.

BULIMIA NERVOSA

É um transtorno caracterizado pela alimentação compulsiva frequente e pelo vômito autoinduzido, associado à perda de controle relacionada com a alimentação e a uma preocupação persistente com a imagem corporal. Os indivíduos com bulimia nervosa podem ter peso proporcional à altura ou este peso pode flutuar com a compulsão e a eliminação. Eles também podem fazer uso abusivo de laxantes, diuréticos, exercícios ou medicamentos emagrecedores; podem ter sinais de vômito frequentes, como articulações maceradas, glândulas salivares inchadas, vasos sanguíneos rompidos nos olhos e problemas dentários. O indivíduo com bulimia nervosa toma muito cuidado para esconder hábitos alimentares anormais. A incidência da bulimia está aumentando e pode ser ainda mais prevalente do que a anorexia nervosa. As estudantes universitárias parecem ser as mais suscetíveis a esta síndrome. A causa ainda é obscura, mas acredita-se que seja parecida com a da anorexia nervosa. O uso abusivo de substâncias, a ansiedade, os distúrbios afetivos e os transtornos de personalidade foram relatados entre as pessoas com bulimia. Com o passar do tempo, os problemas associados à bulimia tornam-se cada vez mais difíceis de lidar com eficiência. Uma combinação de tratamento, consistindo em aconselhamento psicológico e terapia nutricional, é essencial. Os antidepressivos são úteis para alguns, mas não para todos os pacientes com bulimia. A educação e o apoio emocional para o paciente e a família são vitais. Nos EUA, os grupos de apoio como a National Association of Anorexia Nervosa and Associated Disorders (ANAD) (www.anad.org) são úteis para as pessoas acometidas por estes transtornos. O transtorno de compulsão alimentar periódica é menos grave do que a bulimia nervosa e a anorexia nervosa. Os indivíduos com esse tipo de transtorno não têm uma imagem corporal distorcida.



¹Trecho retirado do livro TRATADO DE ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA 8Ed

Share
Tweet
Share
Share