Cárie: um problema evitável

Carie-um-problema-evitavel.jpg

A cárie dentária ainda é uma das doenças mais comuns, que causa problemas, pouco ou muito significativos, a milhões de pessoas em todo o mundo, a cada dia. Cabe aos profissionais da Odontologia ajudar as pessoas a entenderem a doença e, assim, capacitá-las a prevenir a cárie por si próprias (autocuidado). Quando um caso de cárie mais grave é diagnosticado, os odontólogos, em conjunto com o paciente, devem tratá-lo de maneira minimamente intervencionista.

¹A cárie dentária é o termo usado para alterações anatomopatológicas dos tecidos duros dentários. Essas alterações são causadas por ácidos que se formam na placa dentária (biofilme) cobrindo a superfície do dente afetado quando determinados micro-organismos fermentam açúcares, que, por sua vez, desmineralizam os tecidos duros dentários.

Portanto, a doença, que os profissionais de saúde percebem como alterações dos tecidos duros dentários, na verdade reflete atividades que ocorrem no biofilme dentário sobrejacente. Se essas atividades desfavoráveis do biofilme estiverem ocorrendo com frequência, os sinais do processo carioso nos tecidos duros dentários são mais facilmente detectáveis.

No entanto, a “cicatriz” cariosa começa com sinais que só são visíveis com alta ampliação no laboratório, mas acabam com alterações clinicamente visíveis da integridade da superfície do dente. Portanto, a cárie é um termo que realmente abrange alterações no tecido duro dentário a partir do momento em que o primeiro íon mineral deixa o tecido até o momento em que nenhum mineral é deixado.

Felizmente, essa evolução leva vários anos, dando ao dentista e ao paciente tempo para agir. Nos estágios não visíveis clinicamente, podemos adotar uma abordagem relacionada ao risco para intervir de modo não invasivo; no início dos estágios visíveis da doença, podemos intervir de modo não invasivo ou microinvasivo. Os estágios mais avançados da doença necessitam de intervenção invasiva, com o objetivo de preservar o dente o máximo possível.

¹ Trecho retirado integralmente do livro Cariologia: Ciência e Prática Clínica, Elsevier

Share
Tweet
Share
Share