Atuação do fonoaudiólogo no tratamento da disfagia

LIVRO: Atuação do fonoaudiólogo no tratamento da disfagia

Atuaao-do-fonoaudiologo-no-tratamento-da-disfagia.jpg

Deglutir é um ato aparentemente simples, que também utiliza-se de espaços comuns ao ato de respirar, tem como objetivo levar o alimento para o tubo digestivo, assim como limpar o trato respiratório de resíduos.

Porém mesmo que aparente ser um processo simples, deglutir é uma sequência motora extremamente complexa que envolve coordenação de um grande grupo de músculos. Ele é o transporte de material da cavidade oral para o estômago, não permitindo a entrada de substâncias nas vias aéreas, exigindo um controle neuromotor fino com a participação do córtex cerebral, do tronco cerebral e dos nervos encefálicos, trigêmeo, facial, glossofaríngeo, vago, acessório e hipoglosso.

Com o avanço da idade é possível que a deglutição mude quanto a sua eficiência. “Em pessoas com mais de 60 anos de idade, a performance da deglutição tem sido atribuída ao processo de envelhecimento que é considerado normal com relação à musculatura e  ao sistema nervoso. Essas percepções, por vezes, podem ocorrer quando mais jovem, a partir dos 45 anos de idade, e têm sido atribuídas às alterações da percepção sensorial, do gosto e do tato dos alimentos, com diminuição da massa muscular e da sua contratilidade. Com o processo de envelhecimento, outras estruturas envolvidas no processo de deglutição, direta ou indiretamente, podem ocasionar mudanças importantes ou não. São elas: mudanças na massa muscular e contratilidade da língua, dos lábios, da abertura e fechamento da mandíbula e do véu do palato e da contratilidade pulmonar. A perda de elasticidade do tecido pulmonar reduz a capacidade respiratória, podendo afetar a deglutição¹”.

A Disfagia é considerada uma das alterações fonoaudiológicas que mais solicita a presença do fonoaudiólogo à beira do leito, principalmente quando se fala da unidade de terapia semi-intensiva ou intensiva, em caráter emergencial, devido às sérias complicações que podem gerar no estado de saúde do paciente.

A presença do fonoaudiólogo no tratamento a doenças de deglutição como a disfagia, é de suma importância, uma vez que, este trabalho serve tanto para o sentido de manutenção, quanto de prevenção de complicações e para auxiliar a reintrodução da dieta por via oral, mantendo o suporte nutricional adequado para o paciente. Baseado nesses fatos, pode-se afirmar que é indispensável a atuação fonoaudiológica dentro das UTI´s, havendo necessidade cada vez maior das equipes organizarem-se de forma interdisciplinar. Desta forma a recuperação do paciente se torna mais fácil e de maior eficácia para ele.

¹Trecho retirado do livro: Disfagia, Elsevier

Share
Tweet
Share
Share